22 de maio de 2019 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.EUR.valor | number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
Xadrez
18-04-2019 | 16h55
Deputado do PROS defende candidatura de Wilder Morais
Rubens Salomão

As conversações para possíveis candidaturas próprias de partidos da base aliada ao governador Ronaldo Caiado (DEM) tem se intensificado em Goiânia e ganha força internamente o nome do empresário e ex-senador Wilder Morais (DEM). Para efetivar o projeto, o atual secretário estadual de Indústria e Comércio articula filiação ao PROS, para assumir o comando da sigla em Goiás, já que o vice-governador Lincoln Tejota confirma estar de saída da legenda. A filiação é articulada pelo presidente nacional do partido, Eurípedes Júnior, e movimenta opiniões de filiados. O deputado Vinícius Cirqueira nega que tenha qualquer problema com o ex-senador e defende a candidatura dele à prefeitura. “Já conversei com Wilder. Se de fato vier para o PROS, chega para buscar a candidatura. Isso é construído dentro do partido e ninguém é prefeito de Goiânia sem alianças”, afirma. O ex-vereador ainda ressalta a formação de chapa forte de candidatos a vereador, já que a disputa em 2020 será a primeira sem possibilidade de formação de coligações proporcionais.

Bancada

O PROS tem hoje, além de Vinícius, os deputados estaduais Cairo Salim e Rubens Marques. A bancada deve passar a ser a segunda maior na Casa, com a filiação de Wagner Neto e Rafael Gouveia. A maior é a do PSDB, com seis parlamentares.

Base crítica

Cirqueira garante que o partido continua na base do prefeito Iris Rezende, inclusive com ocupação de cargos no Paço, mas que os filiados, como o presidente da Câmara, Romário Policarpo, não abrem mão de fazer críticas quando acham necessário.

Ministros supremos

As últimas alegações do ‘amigo do amigo do pai de Marcelo Odebrecht’, deixam ainda mais claro que o Brasil não tem um Tribunal que seja supremo institucionalmente, mas ministros supremos, que se enxergam acima do bem e do mal. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, insiste em não admitir que se trata de censura a série de ações realizadas pela Corte contra citação ao nome dele próprio em delação do empreiteiro à Operação Lava Jato, como revelado pela Revista Crusoé. Em entrevista concedida à Rádio Bandeirantes, Toffoli avalia que o STF apenas se defendeu de ataques e notícias que ele classifica de inverídicas. “Hoje sou presidente da Corte. Querem atingir o STF. Por isso temos de ter defesa, não podemos deixar o ódio entrar na nossa sociedade”, argumentou. Segundo Toffoli, a medida adotada pelo ministro Alexandre de Moraes, com relação à reportagem intitulada “O amigo do amigo de meu pai”, foi respaldada pela Constituição. A publicação toma por base um documento da própria força tarefa da Polícia Federal.

CURTAS

O amigo – Marcelo Odebrecht revelou o codinome utilizado na empreiteira para se referir a Toffoli, que na época era o Advogado-Geral da União do governo Lula.

Santa Genoveva – O CADE firmou acordo de leniência com a Odebrecht em que a empreiteira denuncia cartéis em obras de aeroportos, inclusive o de Goiânia.

Investigação – O acordo está na Operação Lava Jato e, segundo a Odebrecht, 19 empresas teriam participado do conluio, combinando resultados de licitações.

Obras

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal derrubou veto do prefeito a matéria da vereadora Tatiana Lemos (PCdoB), que obrigava inclusão de cláusula de garantia de obras em editais de licitações no Município.

Argumentos

A Prefeitura aponta que o projeto é inconstitucional, já que invade a competência federal de “legislar sobre normas gerais de licitação e contratação em todas as modalidades, para as administrações públicas”.

Tramitação

O parecer da CCJ, pela derrubada do veto de Iris Rezende (MDB), vai à primeira votação em plenário e deve ser incluído na pauta da sessão da próxima terça-feira (23).

Jus sperniandis

Representantes da Câmara e da Assembleia Legislativa protocolizaram na 6ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça ação popular pelo cancelamento do aumento do valor da passagem de ônibus de R$ 4,00 para R$ 4,30, aprovado pela CDTC.

Como está

A ação pede que a tarifa seja mantida em R$ 4,00 até que as empresas concessionárias apresentem a planilha de custos da passagem. A ação é assinada pelos vereadores Lucas Kitão e Tatiana Lemos e pelo deputado estadual Alysson Lima.

Por aí

A CPI criada para apurar irregularidades no contrato e na prestação de serviços da Enel Goiás realizou na Câmara Municipal de Anápolis a primeira audiência pública itinerante. Atendeu pedido do vereador Pedro Mariano (PRP). 

(62) 3095-8700