21 de abril de 2019 - domingo

Euro R$ {{cotacao.EUR.valor | number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
Política
12-04-2019 | 20h30
Ministro anuncia repasse de R$ 150 milhões para Saúde
Foram ativados 55 leitos no Hugol. Também ficou acertado o repasse de R$ 149 mi para Saúde de Goiás

Jefferson Santos*

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em visita ao Estado de Goiás entregou, junto ao governador, Ronaldo Caiado (Democratas), 55 leitos para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lages de Siqueira (Hugol), na Região Noroeste de Goiânia. Além disso, foram assinadas duas portarias com um total de R$ 149 milhões que serão destinados à saúde do Estado. A visita aconteceu na manhã desta sexta-feira (12). 

Na ocasião, foram entregues mais 55 leitos ao hospital, destes, 45 de enfermarias e dez de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). A ativação dos leitos faz parte das medidas adotadas por Caiado para desafogar o Hospital Materno Infantil.

Durante a visita foram assinadas duas portarias no total de R$ 149 milhões, que serão destinadas à saúde do estado. Sendo, RS 85,4 milhões a custo de médio e de alta complexidade e outra no valor de R$ 49,8 milhões, para outros custos divididos em 12 meses.

Caiado reforçou que a saúde será um marco na gestão dele. "É mais que desafogar. No dia da minha posse, eu vi a situação calamitosa do Materno Infantil e desde então eu não parei um minuto: leiloei carro de luxo para comprar medicamentos. Hoje é um dia especial para o governo de Goiás! Em 102 dias aumentamos em 50% os atendimentos do Materno Infantil, com o padrão do ‘Governo Ronaldo Caiado’. A qualidade da saúde será uma marca forte no nosso governo", disse.

De acordo com o governador, a autoridade segue fazendo o que foi proposto na época da campanha, além de deixar claro que vai melhorar a situação do Materno Infantil. "Estamos fazendo a nossa tarefa, temos que mostrar o que temos agora. Durante os mais de cem dias, tivemos o apoio da nossa bancada, dando qualidade e atendimento a todos. Faremos um Materno Infantil digno para as pessoas verem como se faz saúde no estado de Goiás", reiterou, Caiado.

Mandetta afirmou que recebeu uma ligação do governador relatando a situação do Materno, e a calamidade financeira que passava o estado. "Fizemos o planejamento de curto e médio prazo para garantir os recursos e para conseguir fazer a aquisição dos equipamentos de alta complexidade: são bombas de infusão, respiradores para crianças, equipamentos que oferecemcondições para fazer cirurgia cardíaca congênita, e outras cirurgias de alta complexidade. Fornecendo, assim, condições para os médicos trabalharem dignamente", relatou o ministro.

Segundo o Diretor Geral do Hugol, Hélio Ponciano Trevenzol, a ativação desses leitos, em tempo recorde, tem como foco melhorar a oferta do atendimento pediátrico humanizado para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) em Goiânia, especialidade que possui uma alta demanda, principalmente a assistência às urgências traumatológicas e clínicas. 

De julho de 2015 a dezembro de 2018, o Hugol realizou 14.868 atendimentos de Urgência e Emergência para crianças de 0 a 12 anos incompletos. O hospital assiste a crianças vítimas de traumas de média e alta complexidade, em casos como queimaduras, acidente de trânsito, queda, afogamento, intoxicação e outros. 

 Iris garante fatia de investimentos para a Maternidade Dona Iris 

O prefeito Iris Rezende (MDB) garantiu, junto com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e com o governador Ronaldo Caiado (Democratas), no Paço Municipal, que parte dos recursos enviados pelo ministério para a Saúde do Estado, seja investidos no Hospital e Maternidade Dona Iris (HMDI) e Maternidade Nascer Cidadão (MNC).

O dinheiro será usado para ampliação da Rede Cegonha, serviço que visa proporcionar às mulheres qualidade de vida e bem-estar durante a gestação e o pós-parto, e no fortalecimento das ações promovidas pela Iniciativa Hospital Amigo da Criança.

“Nosso objetivo é estruturar a atenção à saúde materno-infantil em Goiânia, oferecendo às gestantes um ambiente mais adequado, privativo e um atendimento centrado na mulher e na família”, disse Iris. “Esses investimentos vêm para reforçar o trabalho que já é realizado pela Prefeitura de Goiânia, que inclui ainda a construção do Hospital e Maternidade Oeste”, destaca o prefeito.

Participaram do encontro a secretária municipal de Saúde de Goiânia, Fátima Mrué, o secretário de Saúde do Estado, Ismael Alexandrino, deputados federais, dirigentes municipais e estaduais.

Maternidade

Ao ministro da Saúde, o prefeito Iris Rezende falou das obras que o município toca para dar vida a mais uma unidade de saúde no município, o Hospital e Maternidade Oeste. O local vai reforçar a rede obstétrica do município ao oferecer atendimentos que vão desde o pré-natal até a assistência à mulher e ao recém-nascido. Localizada no Conjunto Vera Cruz I, a unidade atenderá moradores de toda Goiânia, em especial das regiões Oeste, Campinas, Sudoeste e Centro. O empreendimento deve ser inaugurado em dezembro de 2019.

A expectativa é que a maternidade possa realizar cerca de 800 partos por mês. A estrutura deverá contar com 179 leitos, sendo 62 de obstetrícia, 23 de ginecologia, 31 pediátricos, oito de observação, 10 de Unidade Terapia Intensiva (UTI) neonatal, nove de cuidados intermediários, além de outros berçários. O projeto também prevê duas salas de observação pediátrica, duas de intercorrência pediátrica, duas de emergência, cinco de recuperação pós-anestésica e 15 de parto normal. (* Especial para O Hoje)

Governador critica “obras de política” no Estado 

Questionado sobre a atual situação do Estado de Goiás, a cerca da quantidade de obras paradas, Ronaldo Caiado reforçou que as obras paradas eram apenas "obras de política". O governador aproveitou a oportunidade para também anunciar novas instalações na área da saúde. "Nós temos algumas obras inacabadas, cerca de 400 no estado de Goiás. Eram exatamente obras de período eleitoral, começava na eleição e terminava dois meses após. Nós vamos recuperar, vamos ampliar o atendimento regional, vamos abrir a policlínica na cidade de Santa Terezinha de Goiás para atender o nordeste goiano. Vamos chegar ao final do governo com 17 policlínicas instaladas, oferecendo qualidade e saúde a toda população do estado", finalizou o governador.

Em visita ao Hospital Materno Infantil, o ministro Luiz Henrique Mandetta disse que o Estado de Goiás estava em colapso na saúde. "Os leitos inaugurados hoje serão uma retaguarda para o Materno Infantil. O hospital vai precisar de pequenas adequações para aguardar a construção do que deve ser num futuro próximo o novo Materno Infantil", garantiu Mandetta.

Por fim, na visão de Mandetta, as alas entregues no Hugol desafogarão o Materno Infantil. “Eu me lembro que no primeiro dia de governoera 11 horas da noite e eu recebi uma ligação do governador.Ele ligou pra dizer que estava dentro da maternidade, dizendo que era um a situação calamitosa. Após a visita ele foi ao ministério da saúde e viu que estavam a 12 meses sem repassar nenhum recurso aos municípios, o quadro era de um grande colapso. Instalamos 10 leitos no Hugol e mais 40 na ala da pediatria, isso será uma retaguarda para o Materno Infantil.Aquiprecisará apenas de pequenas adequações para poder aguardar a construção em um futuro próximo do novo Materno Infantil do Estado de Goiás, que será definido pelo governador do estado, além da entrega das obras que estão paralisadas”, finalizou o Ministro.  

  

(62) 3095-8700