16 de dezembro de 2018 - domingo

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
Corrupção
07/11/2018 | 10h00
Justiça goiana bloqueia bens de prefeito por ilegalidade
Na ação, chefe do executivo é suspeito de montar um esquema para contratar um engenheiro ilegalmente para cargo temporário

(Foto: reprodução / Facebook)

Eduardo Marques*

A justiça goiana bloqueou os bens do prefeito de Minaçu, Agenor Ferreira Nick Barbosa (DEM), do servidor público municipal Adelcides de Souza e do engenheiro Gabriel Junqueira, no valor de R$ 61.638,48. 

Juntos, eles são suspeitos de montar um esquema para contratar o engenheiro por meio de simulação de processo seletivo, que acabou sendo suspenso pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). O engenheiro também foi contratado ilegalmente para um cargo temporário gratificado, o que gerou enriquecimento ilícito.

O promotor de Justiça Darkson Albuquerque requereu a condenação do prefeito e do engenheiro à perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, no valor de R$ 15.409,62; perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa civil e proibição de contratar com o poder público. 

Também foram requeridos o ressarcimento dos danos e o pagamento por dano moral coletivo, no valor de R$ 50 mil, bem como a anulação dos atos administrativos questionados, em virtude de desvio de finalidade nas suas edições.

A equipe de reportagem do jornal O Hoje entrou em contato com a Prefeitura de Minaçu, através de email, porém até ao fechamento desta matéria não obteve resposta. 

*(Eduardo Marques é integrante do programa de estágio do jornal O Hoje sob a supervisão de Lucas Cássio)*  

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)