16 de novembro de 2018 - sexta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
PSDB
13/09/2018 | 15h40
Alckmin vê sinais de alta em sua campanha e prevê o 2º turno
Temos hoje um populismo de esquerda e um de direita”, criticou, ao se referir aos adversários Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT)

 Alckmin, Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Haddad participaram do debate. (Foto: Reprodução)

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, afirmou que sua campanha já mostra sinais de crescimento e ressaltou que ninguém pode se sentir já garantido no segundo turno, uma vez que o pleito deste ano está embolado e será decidido na reta final. )

“Está claro que está embolado o segundo lugar, mas nós estamos crescendo e com rejeição caindo”, disse. “Vou conquistar o eleitor com mensagens fortes sobre recuperação de emprego, dizendo que não tem caminho sem reformas. Temos hoje um populismo de esquerda e um de direita”, criticou, ao se referir aos adversários Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

“A prioridade do PT não é o Brasil e sim o Lula, que está querendo usar a política para escapar da Justiça. O PT enganou o povo porque sabia que o Lula não poderia ser candidato”, atacou.

Apesar de falar em sinais de crescimento, Alckmin não tem conseguido sair do grupo de candidatos que brigam pelo segundo lugar na corrida presidencial. Enquanto Bolsonaro aparece com uma liderança folgada, quatro candidatos estão em empate técnico no segundo lugar: Alckmin, Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Haddad.

Alckmin, que tem praticamente metade de todo o tempo do programa eleitoral no rádio e na TV, aposta nessa vantagem e no histórico de que muitos eleitores deixam para escolher seu candidato em cima da hora.

“Ninguém está garantido no segundo turno, nem o Bolsonaro”, disse Alckmin em sabatina promovida pelos jornais O Globo e Valor Econômico e pela revista Época.

“As últimas eleições foram decididas nos últimos 15 e até sete dias... tem gente que muda até no dia... acho que está totalmente aberto”, avaliou. “O eleitor medita, reflete, ouve sabatinas e decide o voto.”

O tucano reiterou que votar em Bolsonaro pode acabar por favorecer o PT nas eleições presidenciais. Ele argumenta que Bolsonaro tem um nível de rejeição alto e com grandes chances de perder no segundo turno para os principais candidatos, inclusive o do PT.

Alckmin admitiu que os partidos políticos no Brasil estão muito fragilizados depois de tantas denúncias e escândalos, inclusive o PSDB. Por isso, durante boa parte da sabatina defendeu a reforma política e a definiu como “a mãe das reformas” que levarão o país ao crescimento sustentado, juntamente com as reformas previdenciária e tributária.

“Ninguém vai votar em partido hoje é obvio e evidente; vai ser sim nas pessoas”, avaliou o ex-governador de São Paulo, que procurou destacar na sabatina o que classificou de avanços na segurança e na educação nas quatro vezes que comandou o Estado mais importante do país. 

(Agência Reuters)

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)