14 de novembro de 2018 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mundo
Natureza
05/07/2018 | 09h15
Laboratório em Berlim tenta ressuscitar rinoceronte extinto
Os pesquisadores descrevem o rinoceronte-branco-do-norte (Ceratotherium simum cottoni) como o mamífero mais ameaçado do mundo

O rinoceronte-branco-do-norte está praticamente em extinção. Só há dois exemplares ainda vivos ambos fêmeas. Mas cientistas alemães e italianos estão abrindo caminho para ressuscitar a subespécie.

Meses após a morte do último rinoceronte-branco-do-norte macho do mundo, cientistas conseguiram desenvolver em laboratório embriões contendo o DNA da espécie, na esperança de salvar esses animais da extinção. O estudo foi publicado nesta quarta-feira (04) na revista científica Nature Communications.

Os pesquisadores descrevem o rinoceronte-branco-do-norte (Ceratotherium simum cottoni) como o mamífero mais ameaçado do mundo, com apenas duas fêmeas vivas – ambas inférteis e descendentes de Sudão, o macho derradeiro que morreu em março numa reserva no Quênia.

A equipe de cientistas europeus usou técnicas já existentes de reprodução assistida para fertilizar óvulos de rinocerontes-brancos-do-sul (Ceratotherium simum simum) com espermatozoides de rinocerontes-brancos-do-norte mortos, congelados em laboratório.

Os óvulos foram retirados de fêmeas dessa outra subespécie, que também pertence à espécie de rinoceronte-branco, por meio de um dispositivo de extração de dois metros de comprimento, recentemente patenteado.

A fertilização in vitro gerou embriões híbridos, ou seja, que contêm o DNA das duas subespécies de rinoceronte-branco. A intenção, nesse momento, era comprovar que a técnica de criação desses embriões funcionaria – e funcionou.

Agora, um próximo passo delicado para os cientistas é retirar óvulos das duas últimas fêmeas de rinoceronte-branco-do-norte existentes para produzir embriões puros dessa subespécie, usando a mesma técnica inovadora.

Os embriões devem ser então implantados numa "barriga de aluguel", que gerará os filhotes. O papel ficará a cargo de fêmeas de rinocerontes-brancos-do-sul. Essa subespécie, menos ameaçada, ainda conta com cerca de 21 mil exemplares em todo o mundo.

"São os primeiros embriões de rinoceronte produzidos in vitro da história", saudou o pesquisador alemão Thomas Hildebrandt, do Instituto Leibniz em Berlim, que liderou o estudo. "Eles têm uma chance muito alta de gerar uma gravidez quando forem implantados numa mãe substituta."

Segundo Hildebrandt, o objetivo da equipe é que o primeiro filhote de rinoceronte-branco-do-norte nasça em cerca de três anos. "Levando em conta que a gestação dura 16 meses, temos pouco mais de um ano para fazer uma implantação bem-sucedida."

Os pesquisadores pediram permissão para colher óvulos de Najin e Fatu, filha e neta de Sudão, antes ainda do final do ano – num processo considerado arriscado por Hildebrandt. Elas vivem na mesma reserva no Quênia onde morrera o patriarca.

Com informações do Deutsche Welle. 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)