19 de novembro de 2018 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mulheres
Representatividade
25/07/2018 | 15h30
Nesta quarta comemora o dia da Mulher Negra
Este dia tem como objetivo o fortalecimento de uma classe e seus movimentos sociais.

A Lei nº 12.987/2014 define a mesma data como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. (Foto: Reprodução Internet)

Guilherme Melo

Com o objetivo de fortalecimento do feminismo negro e a ascensão de governos ligados aos movimentos sociais, comemorasse nesta quarta (25) o dia da mulher Afro Latino-Americana e Caribenha. A ex-presidenta Dilma Rousseff sancionou a Lei nº 12.987/2014, que define a mesma data como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

Uma líder quilombola, Tereza de Benguela, viveu no Brasil durante o século 18, no estado do Mato Grosso. Depois da morte de seu companheiro, passou a liderar o Quilombo do Piolho, entre 1750 e 1770. O refúgio de escravos reuniu mais de cem pessoas, entre índios e negros, durante duas décadas. Além de resistirem fortemente à escravidão, desenvolveram uma sólida organização social. 

Colocar Teresa de Benguela representando as mulheres negras, afro-latino-americanas e caribenhas, marca um dia de luta. Assim mostra um mecanismo para que as mulheres negras brasileiras tenham a oportunidade de fortalecer o seu senso de identidade. Assim de fato, reconhecendo na história de inúmeras mulheres negras que foram protagonistas na luta por liberdade e direitos, no entanto, foram silenciadas e invisibilizadas pela historiografia oficial. 

Em Goiás

Segundo a feminista negra, Letícia Oliveira, o dia é importante para relembrar tudo o que as mulheres passaram até hoje e que não podem parar de lutar. “Existem uma luta pelos nossos direitos, que não pode parar, por isso é importante lembrar”, explica. Letícia está terminando o curso de medicina, e conta que não foi fácil chegar aonde chegou. "Estudei em colégio estadual toda minha vida, e quando disse que queria medicina, várias pessoas falaram que não ia consegui", conta a jovem. "Minha família não acreditava que está era uma profissão de uma mulher negra, que eu podia me contentar com um curso de enfermagem", finaliza

Força Mulher

Assim como Tereza, outras mulheres foram e são importantes para a nossa história. Com trabalhos impecáveis e perseverança, elas deixaram um legado, que cabe a nós reverenciarmos e visibilizarmos a emancipação das mulheres negras, como forma de homenagear: Antonieta de Barros, Aqualtune, Theodosina Rosário Ribeiro, Benedita da Silva, Jurema Batista, Leci Brandão, Chiquinha Gonzaga, Ruth de Souza, Elisa Lucinda, Conceição Evaristo, Maria Filipa, Maria Conceição Nazaré (Mãe Menininha de Gantois), Luiza Mahin, Lélia Gonzalez, Dandara, Carolina Maria de Jesus, Elza Soares, Mãe Stella de Oxóssi, entre tantas outras.  

Um desenho da representação de Tereza de Benguela. (Foto: Reprodução Internet)

 

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)