10 de dezembro de 2018 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Esporte
Recorde de público
04/06/2018 | 11h05
Brasil vence EUA no tie-break pela Liga das Nações em Goiânia
O Goiânia Arena, unidade da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), recebeu 11.306 pessoas

A passagem da seleção brasileira de vôlei por Goiânia foi de tirar o fôlego e certamente vai ficar na memória dos torcedores. Com direito a homenagem ao ex-jogador Dante e recorde de púbico, o Brasil tirou a invencibilidade dos Estados Unidos num disputado tie-break neste domingo, dia 03. O Goiânia Arena, unidade da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), recebeu 11.306 pessoas. Nenhum outro jogo pela Liga das Nações reuniu tanta gente.

A seleção masculina se despede da capital goiana com saldo positivo. Além de ter vencido as três partidas disputadas aqui, contra Coreia do Sul, Japão e EUA, o Brasil garante a vice-liderança da Liga das Nações, com 15 pontos. Está atrás somente da Polônia, que tem a mesma pontuação, mas leva vantagem no critério de desempate. Agora o time do técnico Renan terá pela frente uma etapa de jogos na Rússia.

Torcida exemplar

A seleção verde e amarela sabia que a partida deste domingo no Goiânia Arena seria dura. Invicto até então, os EUA começaram imponentes e garantiram os dois primeiros sets, com parciais de 21/25 e 20/25. A mesma torcida que aplaudia todos os movimentos do Brasil, vaiava a cada toque de bola dos americanos. E a força do público goiano foi determinante. Quando já não havia mais espaço para erros, o Brasil fez valer o fato de jogar com todo aquele mar de gente a favor. Venceu os outros dois sets, por 25/19 e 25/20, levando a partida para o tie-break.

Naquele que seria o ponto decisivo, o preferido da torcida foi para o saque: Isac. Com capricho, o jogador acertou um ace e garantiu a vitória, por 20/19. Balanço positivo Para o secretário Marcos das Neves, a torcida deu um exemplo de civilidade. “O que nós vimos nesses três dias foi tudo mundo entrando e saindo na maior ordem, aplaudindo e cantando o hino nacional, aplaudindo e respeitando o hino dos adversários.

O torcedor compareceu, lotou o ginásio nos três dias e provou que o goiano é apaixonado por esporte”, disse. Goiás, aliás, já está adquirindo a tradição de bater recorde de público. Além deste jogo pela Liga das Nações, o Goiânia Arena também recebeu, em fevereiro último, a seleção brasileira de basquete pela Liga Mundial. Na ocasião, contra o Chile, colocou 10.550 pessoas na arena. O número, segundo a Federação Internacional de Basquete (Fiba), superou a marca mundial de público da competição.

Sobre os bastidores da Liga das Nações, o titular da Seduce considerou um sucesso a logística organizada pelo governo estadual para receber esse evento internacional. “Mesmo apesar da paralisação de caminhoneiros, que aconteceu na semana em que estávamos montando o evento, concluo que obtivemos absoluto sucesso. Isso nos credencia para receber mais eventos desse porte”, afirmou Marcos das Neves.

Homenagem

E a tarde no Goiânia Arena ainda teve espaço para mais um momento emocionante. Além do jogo acirrado, que exigiu atenção total do torcedor, no intervalo de um dos sets o ex-jogador Dante foi homenageado pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Natural de Itumbiara, o goiano anunciou sua aposentadoria este ano e recebeu uma placa de reconhecimento por todos os seus feitos vestindo a camisa do Brasil. “É muito gratificante receber essa homenagem. Foram 17 anos de seleção, defendendo o nosso país”, agradeceu.

No seu currículo, Dante acumula importantes títulos, como bicampeonato olímpico, bicampeonato mundial e sete vezes campeão da Liga das Nações. Sobre Goiás sediar jogos como esse, Dante considerou uma iniciativa de extrema relevância. “O voleibol tem tudo para crescer e o Monte Cristo (time goiano beneficiado pelo Pró-Esporte), por exemplo, mostra isso. Trazer a seleção para cá, ainda mais em jogos internacionais, atrai o público e deixa o esporte em evidência”, analisou.

Agora afastado das quadras, o ex-atleta informou que está preparando um projeto envolvendo o voleibol. “Eventos como esse resgatam a vontade de montar alguma coisa aqui, para fazer de Goiás uma referência nacional”, disse, sem dar mais detalhes. “É um projeto que vai aparecer em breve”. 

Tópicos:  Brasil,   Vôlei,   EUA,   Goiânia Arena

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)