21 de abril de 2019 - domingo

Euro R$ {{cotacao.EUR.valor | number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
BEM-ESTAR
13-04-2019 | 06h00
14 de abril, Dia Mundial do Café, a bebida mais consumida no mundo
Brasil é líder do ranking de quem mais consome a bebida

GUILHERME MELO* 

Bebida mais consumida no mundo, o café ganha um dia especial para ele, é  neste domingo (14), o Dia Mundial do Café. Segundo dados da Euromonitor International, o Brasil é o maior consumidor de café do mundo. Queridinho principalmente entre aqueles que acordam cedo, o café tem funções que vão muito além de despertar o corpo. Ele é antioxidante, bom para a saúde cardiovascular e pode até ajudar na memória. “A bebida funciona como um anti-inflamatório e antioxidante. Então pode prevenir alterações cutâneas e até mesmo o envelhecimento”, aponta a nutricionista Vivi Rocha. 

A profissional explica que, apesar da polêmica que envolve os benefícios ou não da ingestão de café, a bebida tem sido correlacionada com uma vida mais longa e uma melhor saúde. Segundo um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer dos EUA e da Northwestern University, usando dados do Biobank do Reino Unido, o café pode tem uma relação com a longevidade, tudo isso por causa do metabolismo. “Seu alto teor de cafeína e seus componentes estimulantes fazem dele uma substância potencialmente viciante, se consumida em excesso”, explica a nutricionista. 

Os pesquisadores estudaram a mortalidade de um grupo de mais de 500.000 de pessoas, durante dez anos. Com isso, analisaram o número de xícaras de café consumidas por dia. Foi concluído que os bebedores de café de qualquer quantidade têm uma chance 6% a 14% menor de morte, o que os pesquisadores afirmam ser um número extremamente significativo. Durante a pesquisa, eles presenciaram pessoas que consumiam cerca de 8 xícaras de café, por dia, e, mesmo assim, apresentaram resultados positivos.

Os indivíduos que apresentaram mais tolerância à substância, ou seja, que conseguiram estimular mais rapidamente a cafeína, tornaram um hábito a ingestão do produto diariamente. Com isso, segundo a pesquisa, as pessoas não só apresentavam mais benefícios naturais para a saúde, como estavam mais resistentes a doenças locais. 

Mesmo com a diversidade de benefícios, é importante se atentar à quantidade ingerida, e até à qualidade do grão. “Todo o consumo deve ser com qualidade, já que grãos velhos e não orgânicos podem apresentar substâncias tóxicas”, alerta a nutricionista. 

Vivi recomenda que o considerado saudável é a ingestão de 3 a 6 miligramas de cafeína por quilo de massa corporal do indivíduo. “Em média, seria um consumo de três a quatro doses, pequenas, por dia”, explica.  Vivi ainda reforça os cuidados com a ingestão de qualquer alimento, lembrando dos limites de cada um. “É importante conhecer seu organismo e ter certeza sobre a quantidade ideal para você ingerir café. Mas uma xícara, pela manhã, não faz mal a ninguém”, brinca. 

A nutricionista conta que o grão apresenta muito mais do que muitos acreditam. “A cafeína pode estimular a queima de gordura, ativa a microcirculação e hidrata as papilas dérmicas”, conta ela que conclui: “Assim, os benefícios podem ir além da ingestão, já que existem receitas caseiras de mascaras capilares e faciais”. 

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob supervisão da editora Flávia Popov 

 

(62) 3095-8700