Terça-feira, 25 de junho de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Cultura

Proximidade da Páscoa pede atenção redobrada aos bichinhos de estimação

Postado em: 11-04-2019 as 06h00
Cultura

SABRINA MOURA*

Que chocolate é bom todo mundo sabe. E os pets também adorariam saborear o alimento se a eles fosse recomendado – o que não é. Aliás, o chocolate deve ficar bem longe dos bichinhos, principalmente nesta época, Páscoa, em que as delícias são consumidas em maior quantidade que o habitual. Portanto é importante que os tutores estejam em alerta para evitar que o chocolate se torne um grave problema aos pets, pois, como afirma a médica veterinária Letícia Lima De Podestà, o chocolate pode ser tóxico a cães e gatos. 

“O chocolate não pode ser ingerido em nenhuma quantidade. Existem alguns animais que acabam comendo um pedacinho ou lambem a embalagem do produto. Por não passar mal com essa pequena quantidade, o tutor acaba achando que seu animal pode comer o chocolate. Para algum outro cachorro, mesmo as pequenas quantidades podem gerar uma intoxicação”, comenta ela. 

As metilxantinas – que são compostos presentes no cacau – são o que causam a intoxicação nos animais. “Existem animais que não possuem alterações por conta das metilxantinas, mas, devido ao açúcar e à gordura, em excesso, alguns pets possuem alterações gastrointestinais como vômitos, diarreia e alguma alergia de algum componente do chocolate”, revela Letícia. 

Em relação aos cuidados – caso o animal coma uma quantidade de chocolate e apresente sintomas como vomito, diarreia, excitabilidade, salivação excessiva, ou qualquer sintoma que a suspeita for intoxicação por chocolate –, é sempre indicada a procura de um médico veterinário.

Letícia explica, ainda, que o mercado pet cresceu muito. Segundo ela, existem no mercado produtos que são feitos, por exemplo, com alfarroba e um tipo de baunilha que “eles podem comer e não faz mal”. Além disso, algumas lojas produzem ovos de Páscoa naturais para que o animal possa comer. “É indicado ver, na composição, o que há no produto, mas seus fabricantes, normalmente, já sabem o que não podem colocar”, finaliza Podestà.

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação da editora Flávia Popov

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja buscar