22 de outubro de 2018 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Bananada 20 anos
13/05/2018 | 09h23
Em noite pop, Pabllo Vittar resgata hits e intensidade feminina
Além da drag, Carne Doce, Javiera Mena e Ava Rocha foram destaques do segundo dia. Apresentações foram marcadas pela variedade e força artística

Guilherme Araujo*

Com Pabllo Vittar como headliner e atrações bem distribuídas no palco, a noite de sábado do Festival Bananada rendeu momentos de energia e ode feminina. Os atrasos, relativamente menores do que no dia anterior, não prejudicaram as apresentações, que seguiram seu curso normal.

Além de Pabllo e convidadas, a carioca Ava Rocha, a primeira a subir ao Palco Red Bull Music, foi recebida por um público ainda morno. Diferente da proposta apresentada da última vez em que esteve em Goiânia, na abertura do Goiânia Mostra Curtas, em setembro de 2017, Ava estava acompanhada de banda – aspecto que fez com que suas canções crescessem.

Vestindo um cocar confeccionado com facas – uma das marcas registradas da turnê do disco Ava Patrya Yndia Yracema - e trajando uma saia bufante, aliada a uma blusa estampada com a bandeira do Pará, a artista promoveu uma atmosfera sensorial que deixou até os aparentes desinteressados arrepiados.

No repertório, os sucessos foram cantados pouco a pouco, até que se formasse um uníssono. Assumindo uma pegada política, ao mesclar canções tradicionais da região Norte do país, como , Ava tocou em pontos como a demarcação de terras e a liberação da maconha. “Sou eu quem mando na fogueira do Diabo”, cantou.

Dona de poses exuberantes, que refletiram uma sensibilidade ímpar, Ava saiu, ovacionada e descrevendo um prazer inenarrável, para dar espaço pouco menos de 1h depois à chilena Javiera Mena. Pela primeira vez no país, a cantora pop transformou o festival em uma pista de dança futurista, aura que caracteriza o lançamento mais recente da artista, Espejo (2018).

Com pouca interação e saudações contidas, Javiera chamou a atenção pelo look, uma mistura de peças ornadas em glitter e pedras. No entanto, embora as canções fossem dançantes, a ausência de movimento fez com que a artista parecesse não dominar o palco.

Enquanto o Palco Chilli Beans recebia o agitado grupo baiano ATOXAA, considerado um dos pontos altos da noite com seu aparato de refrãos chiclete, um pequeno público já se aglomerava na grade do palco Red Bull Music, espaço que recebeu a maior parte das atrações do sábado.

Apresentados por Roberta Martinelli, uma exuberante Salma Jô e sua trupe subiram ao palco do Bananada para concretizar aquele que quiçá foi um dos momentos mais enérgicos dos três dias de festa. Na estrada há cerca de dois anos com o disco Princesa, eleito pela revista Rolling Stone como um dos melhores de 2016, o quinteto de Goiânia se prepara para o lançamento do sucessor, ainda sem título.

Além dos clássicos, entre as canções que devem integrar o novo registro, o grupo tocou “Comida Amarga”, “Golpista” e “Brincadeira”, esta última produzida em parceria com Dinho, da banda Boogarins, que toca na tarde deste domingo (13). Nos agradecimentos, Salma elogiou vozes que segundo ela “fazem muito mais” em cena. Citou a goiana Bruna Mendez, o grupo Tuyo e a amiga Juliana Strassacapa, da banda Francisco, el Hombre, que assistia ao show dos bastidores.

Em show mais contido que o da última edição, ficou claro que o grupo vive um momento de transição, deixando a intensidade de Princesa para dar lugar à vibe soturna e introspectiva que o novo trabalho deve assumir.

“Vai passar mal”

O momento foi completamente dela: de peruca cor de rosa, Pabllo Vittar seguiu o mesmo roteiro de sua última passagem pela capital, em setembro de 2017 no Festival Vaca Amarela, embora sem problemas técnicos e com um domínio de palco absoluto. Sem dificuldade alguma, a hitmaker levou a maior parte do público que lotou a área externa do Shopping Passeio das Águas ao delírio. Emplacando sucessos sucessivamente, entre canções suas e parcerias com artistas como Diplo, Alice Caymmi e Anitta, Pabllo dedicou, emocionada, a apresentação ao amigo Matheus, morto por homofobia neste sábado (12) no Rio de Janeiro.

Após sair de cena para uma troca de figurino, a drag maranhense trouxe para o palco uma série de participações: além da cantora Aretuzza Lovi, que enfrentou problemas técnicos na mesa de som no fim de sua colaboração, a angolana Titica, considerada rainha do kuduro, também cantou. Juntas, ambas promoveram uma ponte entre a música pop do Brasil e da África mostrando uma nova parceria, um remix inédito da faixa “Come e Baza”.

Para encerrar, Pabllo convidou o ex-banda Uó, Matheus Carilho, para entoar o hit Vai Passar Mal, faixa que dá titulo ao álbum e turnê da artista. Entre coreografias agitadas e o famoso “carão”, Pabllo saiu ovacionada – algo que não configura novidade alguma dentro de suas possibilidades múltiplas como artista.

* O repórter esteve no evento a convite do festival

 
Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)