24 de maio de 2018 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Dia das Mães
12/05/2018 | 06h00
“Mãe não tem limite, é tempo sem hora”
Reconhecer o sentimento que uma mãe tem por um filho é, no mínimo, gesto de gratidão

Gabriella Starneck*

Neste domingo (13) o Dia das Mães é celebrado – já que, no Brasil, tradicionalmente a data é comemorada no 2º domingo do mês de maio. E, embora nem todos os países tenham instituído o mesmo dia para a ocasião, como Naiara Azevedo já cantava em Obrigado, Mãe, de Fernando Vinhote, “nem importa de onde vem, não importa a cor nem a religião: importa é que todo mundo tem”.

Muito mais que uma data comercial, quando o mercado fica superaquecido com a venda de presentes, o Dia das Mães é um momento oportuno para se refletir a relação entre mães e filhos. Prova disso é que temática ganha destaque não só no comércio, mas também nas redes sociais. A data parece sensibilizar as pessoas de tal forma que elas deixam um pouco o universo individualista para dar lugar ao sentimento de gratidão, que é expresso nos dois sentidos da relação: de mãe para filho, e de filho para mãe. 

De mãe pra filho

O sentimento que uma mãe tem por um filho é quase universal. Uns definem como um amor imensurável, mas também há quem diga que até hoje não existe uma palavra no dicionário que seja capaz de expressar esse sentimento. E, embora seja tão comum ouvir o mandamento bíblico ‘Amar ao teu próximo como a ti mesmo’, quando se trata do sentimento que uma mãe tem por um filho, essa ‘ordem’ geralmente não se aplica, porque elas, mães, são capazes de amar seus filhos mais do que a si próprias – independentemente do tempo e das circunstâncias. 

Como Carlos Drummond de Andrade deixou registrado no poema Pra Sempre: “Mãe não tem limite, é tempo sem hora”. Embora a afirmação tenha sido feita por Drummond, pode-se dizer que muitos compartilham da mesma visão do renomado escritor. Mãe não mede esforços para tirar um sorriso do rosto do filho, para proteger o ‘seu pequenino’ – independente se ele seja um bebê, uma criança ou até mesmo um adulto. 

A canção Minha mãe, da Turma do Balão Mágico, expressa isso muito bem: “Minha mãe, o que passou por mim ninguém vai passar. Minha mãe, eu sei o que sofreu por mim sem reclamar. Você daria a vida por mim só pra me defender, faria qualquer coisa por mim sem se arrepender. Esse é o dom de amar que Deus te deu”. 

E não importa se o sentimento entre mãe e filho é expresso por um escritor, compositor, ou por qualquer um que seja – praticamente todas as pessoas compartilham da mesma opinião. Prova disso é que uma simples busca na internet com a temática ‘homenagem às mães’ traz à tona uma série de textos e mensagens que, embora escritas por pessoas diferentes e de formas distintas, expressam praticamente a mesmíssima coisa. Porque mãe geralmente só muda de endereço! 

De filho pra mãe 

E o que fazer, como filho, no Dia das Mães? Com certeza, um simples presente não é capaz de retribuir tudo o que essas guerreiras passaram/ passam para ver o filho bem. Dizer eu te amo seria o suficiente? É um lindo gesto, mas, como a canção de Fernando Vinhote também retrata ‘qualquer coisa que eu diga, vai ser pouco demais. Só falar eu te amo, mãe, vai faltar algo a mais’. 

Apesar de ser clichê, a mais pura realidade é reconhecer que o Dia das Mães é todo o dia, porque, para uma mãe, embora não exista o ‘Dia do Filho’, é como se essa data fosse celebrada todo o dia – já que elas, até mesmo antes do nascimento, já se dedicavam integralmente a maternidade.  Então o mínimo que um filho pode fazer por sua mãe é expressar, dia a dia, gratidão. 

Reflexão

Durante a Semana das Mães, um assunto muito debatido está relacionado à definição de mãe e filho. Infelizmente, em pleno século 21, a sociedade está permeada de estereótipos e preconceitos. Há quem diga ainda que mãe é ‘só quem gera’, ou que a relação com um ‘filho adotivo’ não é a mesma. Mas a atriz Sandra Bullock fez uma crítica muito pertinente, nesses últimos dias, ao falar sobre o termo ‘filho adotivo’: “Vamos nos referir a essas crianças apenas como nossos filhos. Não diga ‘meu filho adotivo’. Ninguém chama uma criança de ‘filho de fertilização’ ou meu ‘oh, droga, fui ao bar e fiquei grávida por acidente’. Vamos apenas dizer nossos filhos”. 

Como Naiara Azevedo canta em Obrigado, Mãe: “Mãe é aquela que gera, é aquela que ama, é aquela que canta canção de ninar e que no abraço faz o medo passar. Mãe é aquela que adota, que chama de filho, que pega na mão e te ensina a andar. Te deita no colo e ensina a amar”. 

De forma resumida, é como a atriz Giovanna Ewbank ressalta: “Mãe é quem cuida, quem cria e está presente. Filho é quem recebe isso!”.

O que fazer? 

Não deixe o Dia das Mães passar em branco, e isso não está relacionado ao ato de presentear, mas sim de expressar amor, carinho e afeto. Para quem tem o privilégio de ter, nessa data festiva, a mãe por perto, aproveite para curtir um momento com ela. Se você tem condição financeira, presenteie sua mãe, não há problema algum em fazer isso.  Mas, se não tiver, expresse isso de uma forma singela – seja por meio de uma carta, uma postagem, ou até mesmo um abraço apertado. Como já diziam, ‘atitudes valem muito mais que palavras’! 

Realmente existem programas que geram gastos, mas também têm aqueles sem custo algum. Neste Dia das Mães, você pode levar sua mãe ao cinema ou a um restaurante, mas você também pode baixar um filme para assistir com ela, dar uma volta em um parque ou preparar um almoço especial. O que não pode existir é desculpas para se ausentar e não aproveitar esses pequenos momentos que a vida proporciona ao lado de quem se ama – até porque um dia pode ser tarde demais para aproveitá-los. Como a música de Paulo César Baruk, “Flores em Vida Expressa: Não posso me esquecer, tenho que oferecer flores em vida enquanto é dia!”

O mesmo vale para quem ainda tem mãe, mas não tem a oportunidade de estar ao lado dela: pense em uma forma de expressar seu sentimento, mesmo que seja a distância. Com o avanço da tecnologia, fazer uma surpresa – mesmo para alguém que está em outro estado ou país – se tornou muito mais fácil. Nessas horas, vale a pena usar e abusar da criatividade, mas não se esqueça de ser agradecido a uma das pessoas que, provavelmente, moveria o mundo para te ver feliz . 

Para finalizar, vale lembrar que “hoje é um dia tão especial pra você (mãe), que não dá pra esquecer. Em vez de comemorar, eu queria te agradecer por tudo o que me fez” (música Minha Mãe, Turma do Balão Mágico). 

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação da editora Flávia Popov. 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)