22 de julho de 2018 - domingo

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Energia
10/07/2018 | 15h34
Entra em vigor a lei que obriga cabeamento energético subterrâneo
Está em vigor desde o último dia 6 de julho e beneficia principalmente os moradores da região Sudoeste da capital

Nova lei obriga que todas linhas de transmissão acima de 69 kw seja subterrânea (Foto: Agência Brasil)

Da Redação

Após aprovação em segunda votação, a lei n° 10.206, que obriga que todo o cabeamento energético de Goiânia acima de 69 quilowatts seja subterrâneo, foi sancionada pelo prefeito Iris Rezende (MDB) e já está em vigor desde a última sexta-feira (6), quando foi publicada no Diário Oficial do Município. Moradores da Região Sudoeste comemoram a decisão após o impasse da implantação de redes de alta tensão próximas as residências.

O texto, de autoria do vereador Elias Vaz (PSB), ressalta que a concessionária de energia tem o prazo de 20 anos para que toda a substituição seja concluída, mas que, todo ano, ao menos 5% do cabeamento seja realizado. Em caso de descumprimento, será aplicado multa. “É um tipo de investimento que é mais caro no início, mas que traz benefícios a longo prazo. A cidade terá menos problemas com rompimentos de cabos, falta de energia e acidentes, sem contar a questão da poluição visual”, destaca o vereador.

O projeto ainda prevê o plantio de árvores nos locais que foram retirados os postes de concreto. A lei valerá até para projetos que não forem totalmente implantados.

Morador do Parque Anhanguera há 20 anos, Flávio Correia demostra contentamento com a decisão e implantação da lei que, segundo ele, beneficiará toda a cidade. “O cabeamento subterrâneo é uma realidade em várias cidades brasileiras como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte. Além de trazer mais segurança, retira uma poluição visual com o cabeamento aéreo”, conta.

Impasse x Solução

Flávio conta que a nova legislação ajuda a solucionar o impasse que rondava a extensão da rede elétrica que ligaria as estações Carajás/Campinas/Atlântico e percorria mais de oito bairros da região Sudoeste da capital. A obra, que teve início há seis anos e, desde então, gerou insatisfação dos moradores que estavam preocupados com o perigos que a rede de alta tensão trazia.

“Para você entender, o projeto estava funcionando sem todos os alvarás necessários e os que tinham estavam sendo totalmente desrespeitados. Um dos pontos que mais chamaram atenção é pelo fato de as instalações dos postes não obedecer os 16 metros distância e oito de cada lado. Com isso, tinha postes que eram instalados literalmente em calçadas”, destaca.

A obra realizada levava uma linha de transmissão de 138 quilowatts, nível que se aproxima com os instalados em zonas rurais, que é de 230 quilowatts. Os moradores, então, acionaram o Ministério Público, que instaurou uma ação civil pública para que a obra fosse embargada. Todos os envolvidos foram ouvidos, principalmente a concessionária, que na época era a Celg, e alegou que a não realização da obra levaria o sistema energético ao colapso.

Apesar disso, o juiz da 3° Vara Fazenda Pública Municipal, José Proto de Oliveira, entendeu que a Celg deveria realizar o estudo de impacto da vizinhança nos locais onde a linha de transmissão iria passar. Diante disso, as obras foram embargadas em abril deste ano.

 

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)